27/03/2014

QUANDO A CENSURA É FEITA PELAS PRÓPRIAS JORNALISTAS:

Esta funcionária da RTP, paga pelos nossos impostos, no fórum da RTPi sobre os cortes nas pensões em que ela devia ser simples moderadora - inclusive tinha um comentador-convidado, o seu próprio Director de Informação, e o programa era para os cidadãos opinarem - teve um comportamento execrável.

Ela tentou impor as mesmas mentiras repetidas pela clique no poder,
e interrompeu um cidadão que desmontava a apregoada "insustentabilidade da Segurança Social" (mostrando que os governos têm desviado muitos milhares de milhões colocados nos fundos de pensões pelos aposentados) .

A dita jornalista, armada em sabichona, cortou várias vezes a palavra ao ouvinte (que se exprimia com toda a correcção, diga-se) impedindo-o de concluir.

No fascismo, a censura era feita por oficiais do exército reformados que não percebiam nada de política e agiam maquinalmente, cortando conteúdos das notícias conforme as ordens recebidas. 

Agora é muito pior. São mercenários com carteira de jornalista que, ganhando "brutos" ordenados, fazem uma censura cirúrgica extremamente eficaz para efeitos de baralhação e manipulação do comum cidadão.

Ainda dizem que isto é democracia.
Que nojo.


ROUBO, MANIPULAÇÃO E ALMOFADAS

Hoje as três TVs noticiosas - todas, que coincidência...- fizeram uma "antena aberta"/fórum de debate com os espectadores sobre as notícias que os esbirros do desgoverno passaram para os jornais como-quem-não-quer-a-coisa, tornando permanentes os cortes nas pensões através do truque de mudar o cálculo de modo a depender do factor demográfico e do PIB.

Até aqui, tudo bem.
OU, na realidade, TUDO MAL, porque as pensões já estão rebaixadas em certos casos para metade de quando a clique Passos & Portas entrou. A aplicar tais factores, deveria ser quando as pensões ainda estavam no seu nível inicial. Agora, significará apenas mais roubo continuado, a somar ao saque já feito.
 

E TUDO MAL, porque este desGoverno faz sempre o mesmo número ritual - lança o balão de ensaio por interposta pessoa, entretanto vai dizendo que não e, no fim, aplica mesmo aquele imposto ou outro pior.

AGORA A QUESTÃO: porque é que os media, que em 90% do tempo colaboram na propaganda burlona da troika e do seu desGoverno deram aqui a voz aos ouvintes, e todos o fizeram no mesmo dia? E porque é que cada vez dão mais destaque às passeatas-propaganda da CGTP e à cassete ilusionista do PCP?
 

Porque é que a APRe! - associação de aposentados - habitualmente ignorada, foi desta vez convidada por todos os canais a falar?

EIS A RESPOSTA: porque o desGoverno já percebeu a inépcia e vacuidade da APRe!, da CGTP e de TODA a "oposição" parlamentar. E a clique P&P percebeu também que sózinha não vai conseguir estancar a indignação que tanto saque provocará.

Assim, os media matam dois coelhos dum só golpe: ajudam o desGoverno a lançar o barro à parede e colocam ao mesmo tempo como único representante dos reformados uma organização que nada tem feito, o que é uma forma hábil de criar falsas expectativas, paralisando os saqueados.

CONCLUSÃO: o principal problema dos novos milhões de espoliados pelas atuais medidas fascizantes e perversas (eles ainda têm a lata de falar de justiça quando as tomam) - não é o desGoverno que as aplica.

O principal problema é a "oposição" que lhe serve de almofada, desarmando as vítimas da extorsão com o seu palavreado oco e a constante fuga à luta.

A manipulação tem dois braços e duas cabeças: a dos que tomam as medidas, e a dos que fingem lutar contra elas, anestesiando as vítimas para evitar que se revoltem.


Os predadores mais eficientes, antes de devorarem as presas, tratam de paralisá-las com veneno.  

06/03/2014

15.000 polícias protestam frente à AR, em Lisboa

MAIOR PROTESTO POLICIAL DE SEMPRE

Numa ação marcada por longos períodos de tensão, ameaças de invasão que originaram vários feridos, só paradas por um impressionante dispositivo de centenas de polícias de choque e pelos histéricos e insistentes apelos dos líderes sindicais à boa ordem, com os piquetes sindicais a reforçarem mesmo a polícia de choque...

... tudo acabou na paz podre do costume, como é da praxe nas manifs da CGTP, com o dirigente da ASPP, Paulo Rodrigues na típica retórica do sindicalismo amarelo a dirigir palavras elogiosas ao poder na pessoa da presidente da AR, por sinal bastante desprestigiada pela sua desorientação recente, além da choruda pensão que recebe pelos escassos anos de trabalho no TC.

Nem uma palavra destes dirigentes sindicais apelando à unidade dos portugueses em torno da espoliação comum às várias categorias sociais, nem uma palavra exigindo a demissão dos corruptos e colaboracionistas com o saque, nem uma palavra para uma estratégia de revolta no futuro.

Fica a nota positiva duma vontade de lutar expressa no rosto e nas palavras de ordem espontâneas dos  homens e mulheres desta classe profissional, alto e bom som:
"Passos, escuta, és um filho da P...."

Mas o epílogo imediato, sabemos qual vai ser: umas migalhas como paga pelo "bom comportamento" dos sindicatos amarelos, propaladas como "vitória da classe" ou no mínimo "a vitória possivel".

Mais uma vez  se constata o papel do sindicalismo amarelo e dos partidos capitulacionistas por trás dele,  como importantes almofadas do poder reacionário e anti-nacional que dirige o País.

Dez feridos na maior manifestação de sempre de polícias

05/03/2014

A MAIOR FRAUDE DA HISTÓRIA

Clique na imagem em baixo para lançar o vídeo no You Tube

Aqui está uma opinião bem estruturada, que fala claro e põe o dedo em algumas das principais feridas do sistema atual.

A notar no final, a referência à tentativa da Turquia criar um sistema bancário independente do sistema mundial. Talvez isso explique muito do que se está passando tanto na Turquia como noutras regiões.

Mas, o mais importante:

Há muito que venho defendendo esta tese, que passa por perceber que os EUA emitem - através do seu sistema bancário, como fala o autor,  mas também por outros meios - triliões de dólares DE GRAÇA, que usam para manter artificialmente a sua economia, corromper as sua classes médias e sustentar a sua formidável máquina militar, de espionagem, de subversão e propagandística, que lhes permite o domínio absoluto - político e ideológico - do mundo. Dançamos todos, literalmente, ao compasso da banda norte-americana!

Como textos longos já quase ninguém lê, espero que em vídeo alguém procure assimilar.

Chamo a atenção que isto é apenas o começo do muito que as pessoas devem entender para saberem como funciona o mundo atual  (sendo que a opinião do autor não coincide exactamente com a minha, já que ele põe o foco nos custos para o contribuinte norte-americano, enquanto eu o ponho no facto dos EUA se servirem do dólar como moeda mundial para viverem à custa disso - incluindo os seus contribuintes).

Espero que em Portugal as pessoas comecem finalmente a "cair na real" e deixem de acreditar nas tretas mirabolantes de que a culpa da crise portuguesa e europeia é "nossa", resultado do "viver acima das posses", ou mesmo dos trocados gastos pelos sucessivos desGovernos com fundações e corrupção, e mais isto e aquilo!

Deixemo-nos de faits divers. O foco é a manipulação dos mercados e a parasitagem mundial dos especuladores financeiros, com os grandes bancos mundiais na 1ª linha (como uma investigação recente apurou no Reino Unido).

A crise, como demonstrarei brevemente, é fruto do terrorismo financeiro mundial e dos seus ataques especulativos feitos cirurgicamente quando convém, e DESFEITOS quando os desGovernos que os servem, como é o caso do P&P (Passos e Portas), estão no poder.




23/02/2014

Da Ucrânia, com amor

Eis o meu comentário a este artigo inserto no blogue "Da Rússia", do jornalista José Milhazes 

Vejo pelos comentários ao blogue em referência que há muita desinformação inclusive dos que se acham tão espertos que já fizeram "o filme todo" da situação. Presunção e água benta, cada um toma a que quer...

O que eu sei - e sei pouco, sei-o nomeadamente por informações pessoais de ucranianos amigos que moram na minha zona - é que na Ucrânia, independentemente dos vários governos que passaram, a corrupção é generalizada, paga-se por baixo da mesa para se ser tratado no hospital público gratuito (onde, apesar disso,se é melhor tratado que em muitos hospitais da área metropolitana de  Lisboa), ou que só corrompendo a polícia se passa na fronteira sem problemas, mesmo tendo todos os papéis legais. E sei que há muita pobreza e desemprego - se assim não fosse, com a crise que grassa em Portugal, os imigrantes ucranianos  já tinham regressado todos. Alguns fizeram-no, é certo, mas uma boa parte continua por cá, mesmo a viver de subsídios ou biscates, nalguns casos.




O Partido Comunista ucraniano apoiava o corrupto Ianukovitch, que acaba de ser deposto, o que mostra bem o papel e as responsabilidades no degradar da situação social duma certa esquerda tradicional, como refiro abaixo.
(clique a seguir para prosseguir a leitura)

04/02/2014

O SENTIDO DO ANACRONISMO DAS PRAXES

Este é o debate do momento nos media portugueses, despoletado pela tragédia da praia do Meco em que morreram seis  jovens duma universidade privada, quando simulavam os rituais a aplicar aos novos alunos.


OS ARGUMENTOS MAIS COMUNS CONTRA AS PRAXES...

O sinistro facto gerou um natural movimento de repúdio contra essa aberração que são as praxes, com os seguintes argumentos:

- As praxes são humilhantes e, ao contrário do que dizem os seus promotores, elas não integram, antes estupidificam e tornam submissos os alunos ao imporem-lhes atos humilhantes e muitas vezes perigosos, através duma coação chantagista

- As praxes são uma coisa anacrónica, reminescência dum passado tradicionalista e conservador que hoje não faz sentido.

- As autoridades universitárias, ao não imporem regras que limitem os abusos, estão a ser coniventes

- Vários dos comportamentos impostos aos "caloiros" e o tipo de organização que enquadra as praxes chegam a assumir um nível criminoso, infringindo direitos pessoais básicos, intocáveis. e indisponíveis

... E UMA ANÁLISE MAIS PROFUNDA

Concordo com tudo isso. Mas é preciso ir mais fundo na análise e perceber o que é que a persistência de hábitos tão boçais tem a ver com a estrutura e a conjuntura atual da sociedade portuguesa.

(para ler mais, clique abaixo)

29/11/2013

CTT: a luta pelos correios - que lições?

Os trabalhadores dos CTT estão em luta.

Infelizmente, o facto da liderança ser das cúpulas bolorentas da CGTP e da UGT promete apenas mais um simulacro de luta para trabalhador ingénuo ver.

Nada foi preparado para um combate duro e prolongado. Que poderia nem passar por greves, mas passaria sempre por um minucioso estudo de estratégias diversificadas e imaginativas, em espiral crescente, com alternativas preparadas para cada vez que uma ação fosse anulada.

Podiam, por exemplo, oferecer serviços gratuitos aos clientes, com o uso ou não das estruturas da empresa para o efeito (dependendo da adesão da classe). Ou, sendo mais criativos, mandar imprimir um grande selo simbolizando a destruição do País a par da dos correios, e vendê-lo para angariar um fundo de resistência, ou simplesmente oferecê-lo.

NOTA: Na Carris, antes de 1974, numa situação em contexto social diferente mas não mais grave que o atual os trabalhadores deixaram os passageiros viajar de graça, numa ostensiva desobediência civil.

Mas, agora mesmo, os sindicatos dos transportes da CGTP, ao invés, insistem em greves que parecem desenhadas para irritar o público.
E repetem, repetem, repetem mais do mesmo... há décadas, numa persistência cega no erro que é difícil alguém entender.
ém 

21/11/2013

POLICIAS EM PROTESTO RADICALIZADO

Finalmente o trabalho de sapa realizado pelos sindicatos e partidos colaboracionistas começa a abrir brechas.

Pode ver mais imagens aqui, da que é considerada a maior manifestação policial de sempre

Os manifestantes das forças policiais que hoje ao fim da tarde se manifestaram em frente à Assembleia da República, apesar dos esforços do cordão da manifestação e dos agentes em serviço na AR, quebraram as barreiras e invadiram as escadarias do parlamento.

Tratou-se aparentemente de um ato espontâneo, imaginem se fosse organizado e não sofresse as sabotagens do costume...

São sinais de esboroamento das teorias e da prática dos que dizem que só se podem fazer manifestações obedientes  e inúteis como as que a CGTP, PCP, BE e a orla organizam, levando à risota dos mandatários no poder da coligação neocolonial cujo programa de extorsão é imposto ao País.

12/11/2013

RESPOSTA À PROPAGANDA NEOCOLONIAL

Uma direita cúmplice e sem ideias, apenas sustentada pela chantagem terrorista da troika
O texto abaixo, resulta de um debate iniciado no site Que se Lixe a Troika - aqui - a propósito de declarações de Poiares Maduro, que invocava não haver alternativas para o corte que o governo que fazer uma vez mais nos salários e pensões.

O que contestei, enumerando múltiplas alternativas, como: 

- Anulação de parte da dívida que é da responsabilidade do BCE por protelar deliberadamente o combate aos especuladores
- Indemnização  pelas desastrosas políticas da CEE (PAC, pescas, euro...)
- Anulação de contratos fraudulentos, como as PPP, SWAPs, portagens, etc. (cfr. aqui um caso)
- Redução das rendas exorbitantes pagas pelo Estado às grandes empresas
- Eliminação dos privilégios fiscais das grandes fortunas e lucros
- Criar barreiras legais e informáticas à fuga de capitais
- Acabar com as mordomias despudoradas dos "boys" dos partidos ou dos privados
- Acabar com os auxílios desequilibrados a certas regiões, cidades e empresas privilegiadas
- Suspender as  privatizações e recuperar parte das empresas públicas lucrativas já privatizadas

Tomando alguns tópicos da extensa réplica (dum interlocutor de circunstância) como modelo "argumentativo" duma certa direita anti-nacional, eis a minha resposta.

31/10/2013

APRe! para quê? (DESMONTANDO A GRANDE BURLA)

A APRE e outras associações de reformados têm-se revelado um autêntico equívoco, face ao brutal ataque que a coligação estrangeira  representada pela Troika e o "seu" desGoverno promovem de forma continuada, sem fim à vista, sobre alguns sectores da classe média.

Tomo por base a intervenção desta associação no protesto de 26 de Outubro último. Link aqui

Compare-se esta inócua e palavrosa intervenção com os COMENTÁRIOS incisivos dos aposentados nas redes sociais e nos media on-line, onde a RAIVA, a INDIGNAÇÃO e a REVOLTA  são bem visíveis.

NEM FOCO, NEM ACUTILÂNCIA

Acutilância, exatamente o que falta à senhora do boné da APRe – adereço com um toque “radical”, decerto para camuflar a total falta de radicalidade, leia-se lucidez e coragem, no discurso e na ação

21/10/2013

COMO PARAR COM O ASSALTO? ( É PRECISO ACORDAR )

As notícias sobre as medidas de terror económico do OE 2014, com novos ataques aos funcionários e aos reformados, não param de sair. 
O desGoverno insiste nesta estratégia, ideal para a rapinagem financeira internacional e nacional, mas desastrosa para o povo. 


A marcha falhada da CGTP na ponte é uma metáfora da Oposição impotente que temos. Os protestos fracassarão enquanto não se focarem nos grupos mais atingidos e os mobilizarem
Coelho e seus mandantes sabem que atacar a população toda ao mesmo tempo, como quase fizeram em 2012 com a TSU, não é uma boa estratégia - leva à revolta popular. Perceberam-no com o 15.Set desse ano.

Por isso trataram de incidir o essencial do saque da troika sobre três grupos vulneráveis e já antes repetidamente vergastados: os reformados, os desempregados e os funcionários públicos 

17/10/2013

"LUTA" RETÓRICA E LUTA REAL

A realidade acabou por dar razão à minha posição crítica bem antes do que eu próprio esperava.

Perante a teimosa oposição dum Governo socialmente mais que minoritário, mas reacionário e empedernido, a CGTP recuou na sua intenção – que reiterara de peito cheio durante toda uma semana - de percorrer a ponte 25 de Abril em protesto a pé e, cabisbaixa, substituiu-a por uma travessia de carro que acabou numa vulgar concentração num local tão politicamente inócuo como Alcântara.

05/10/2013

Análise dos resultados das eleições

A análise dos grandes media às eleições recentes mostra o quanto a manipulação campeia sem um pingo de vergonha. Falta de vergonha, aliás, que se alimenta do crescente alheamento dos eleitores.

Sobre um levantamento exaustivo dos 4 últimos atos comparáveis – autárquicas de 2001, 2005, 2009 e 2013 – cujos dados se veem abaixo, eis a minha própria análise.


1. Maior abstenção de sempre em eleições autárquicas e maior número de votos nulos e brancos, somando estes 368.552 (em percentagem, 7,37%), no que é claramente um voto de protesto contra o sistema. Número superior ao do CDS e BE somados e enquanto listas próprias.

Globalmente, os não votantes e os votos de puro protesto valem mais que todos os partidos juntos. Como pode ver-se:

28/09/2013

Comparações: Portugal, Chipre e Islândia

A crise e a forma como a ela responderam os vários países permanece envolta em nevoeiro.
Tento aqui levantar a ponta do véu, mostrando dados que habitualmente são escamoteados à população pelos media.
Recorde-se que, destes três países - com uma crise comum em vários aspectos -, a Islândia foi o único que não se subordinou aos bancos nem ao FMI, que recusou pagar a dívida desses bancos e criou novos bancos ao serviço do interesse nacional, enquanto demitia os políticos e levava mesmo alguns deles a tribunal. 

12/09/2013

Portugueses no Rio protestam contra homenagem a Relvas

Aqui está gente sem papas na língua e que diz o que tem a dizer, sem calculismos eleiçoeiros.

Para aqueles que andam há anos a anestesiar as lutas populares em Portugal, isto é uma autêntica bofetada.

Vejam se aprendem uma coisa simples: a coragem também se transmite, não apenas a cobardia.

Para ver melhor, por favor, maximizem o vídeo no écrã.


04/09/2013

A SÍRIA, ANTECÂMARA DA 3ª GUERRA MUNDIAL

Na atual crise síria, Obama mostrou que apenas esperava um pretexto para atacar. Como entender que sequer aguardasse pelo relatório  dos peritos da ONU sobre armas químicas? Tudo remete, pois, para um plano de longa data.
(Foto que corre nas redes sociais)
Milhões de sírios nas ruas apelando ao não à guerra. Mas fotos destas não passam nos media mundiais! 

VÁRIAS COINCIDÊNCIAS

Receando a opinião pública americana, de forma clara em maioria contra a guerra, Obama optou por consultar o Senado. Mero pro forma, como se vê pela sua declaração de que vai atacar, aconteça o que acontecer (mesmo que depois recuasse, ante a inteligente proposta russa).

30/08/2013

INCÊNDIOS: O GRAU ZERO DA POLÍTICA

Nota: Este comentário foi publicado bastantes dias antes do PS, PCP ou Bloco tomarem pela 1ª vez posição pública sobre a calamidade que atingiu o País no presente ano. Será coincidência?


Só este verão já morreram 7 bombeiros. Dezenas ficaram feridos com maior ou menor gravidade. É a infeliz notícia sobre Portugal que corre nos media mundiais - ainda ontem na DW-TV. Absolutamente invulgar este número de perdas humanas em Portugal, a que se somam mais de 3,5 mil milhões € de prejuízos materiais. Simbolizam o estado em o país está.  

Não basta lamentar ou fazer campanhas solidárias. É uma exigência cívica responsabilizar quem de direito - os políticos, que deviam ter tomado em devido tempo medidas preventivas. Mas eles preferiram a propaganda e as inaugurações.

Se numa escola ou discoteca morrem pessoas por falta de saídas, toda a gente exige averiguações e punição aos respectivos diretores, por incúria ou cumplicidade. No caso dos fogos, as pessoas agem como baratas-tontas e ninguém exige nada. Choram as vítimas e apontam o dedo aos incendiários o que, infelizmente, não basta.  

A verdade é que chegámos ao ponto de aceitar tudo. Os bombeiros são o novo cordeiro para o sacrifício.  


23/08/2013

Revista Visão: um dos muitos exemplos de manipulação mediática

"Torne a mentira grande, simplifique-a, continue afirmando-a, 
e eventualmente todos acreditarão nela" - Adolf Hitler


A revista Visão publica um artigo em 22 do corrente sobre os cortes nas pensões que o (des)governo pretende impôr em 2014. Trata-se dum exemplo acabado da mais grosseira manipulação.

Em cada linha que escreve a "jornalista" demonstra o seu servilismo aos grandes interesses que assaltam o País. Vejamos alguns exemplos.

Logo a segunda frase do artigo, referindo-se aos aposentados com mais de 75 anos, diz: "Os mais velhos estão mais protegidos".

Ora o artigo é sobre as medidas para extorquir (ainda) mais dinheiro aos reformados da CGA - a todos eles. Quando muito a autora poderia escrever: "Perante esta nova extorsão, alguns dos mais velhos poderão sofrer um esbulho menor". E alguns, porque está demonstrado que só quem acumule todas as condições da lei do OGE 2014 terá menor agravamento. Mas agravamento, sempre!

A escolha das palavras não é um mero acaso. Palavra, é a ferramenta  do jornalista.

22/08/2013

UHF - chamar os bois pelos nomes!

Quem disse que os UHF são foleiros e não tocam nada?

Podem não ser os Dire Straits ou os Radiohead, mas o António Ribeiro é fixe, não tem nada de estúpido, mantém uma voz timbrada e fala claro, o que é uma grande qualidade num país de meias e bolorentas palavras (já nem falando daquela malta que fala um mau Inglês, mas insiste em cantar só em Inglês):


Apesar do tom de desilusão, há honestidade, que é o único ponto de partida sério para alguma coisa.

A verdadeira música de intervenção portuguesa de novo, no meio do estado caótico da nossa cena musical?